14 de outubro de 2018

Fim de Temporada: Melhores Animes Verão 2018

Quebrando a sequência de resenhas e podcasts que tem ocorrido no Animecote nos últimos meses, trago-lhes mais um post especial com os TOPs individuais da temporada passada feitos habitualmente por membros do blog e, de quando em quando, alguns convidados - e dessa vez tivemos dois para suprir a falta de pessoal próprio.

Já tendo participado de um top anterior, precisamente o da primavera do ano passado, o padrinho Carlírio Neto do blog Netoin! novamente nos auxiliou ao apresentar os que foram para ele os melhores animes finalizados recentemente - e estreando no grupo de convidados, temos o Luk Lucas do Chuva de Nanquim, nome frequente nos podcasts aqui da casa. Desde já agradeço a participação dos dois, que foi vital para a realização de mais uma publicação desse gênero. Por fim, ao lado deles há ainda o Evilasio Junior, que retorna ao post representando a equipe do blog depois de ter ficado ausente por uma temporada.


De todo modo, segue abaixo os Top 5 (para ser exato, por parte do Carlírio houve um Top 3) feitos por eles sobre os animes finalizados nas últimas semanas, os quais esperamos que possam ser de alguma utilidade para quem tiver dúvidas quanto ao que assistir.

E como última sugestão, clique aqui caso queira visitar as postagens de temporadas anteriores.


**********


Carlírio Neto

Saudações para você, visitante do blog Animecote, sendo esta casa parceira de longa data do Netoin!. Quem vos escreve é Carlírio Neto que, a convite do jovem Erick Dias, uma vez mais participa do post especial com os destaques no final de temporada.

Logicamente, o tema da vez vai para Julho/2018, que apresentou para este humilde blogueiro alguns animes extremamente chamativos. Deixando de lado as obras que iniciaram em temporadas passadas desta, bem como os títulos que iniciaram nesta mas que ainda seguirão em exibição, então a minha pessoa finalizou um total de onze animes.

Comparando com temporadas (e anos anteriores), o citado montante foi pequeno. Contudo, sua origem não remota de uma falta de qualidade na temporada em pauta ou algo próximo disso, mas sim de uma singela desmotivação deste humilde blogueiro, cuja vida atualmente está em uma situação distante de ser considerada a ideal (em especial por estar desempregado).

Deixando a vertente mais pessoal de lado, então sinta-se convidado a acompanhar um pouco daquilo que a minha pessoa vem a lhe apresentar, como sendo o top’3 animístico da temporada de Julho/2018.


3º - Grand Blue

“Existe algo estranho em sempre festejar com poucas roupas...”


O anime a ser discutido estava longe de ser visto pela minha pessoa. Enfatizo aqui que acabei assistindo-o graças a um grupo de amigos, com os quais vejo de dois a três animes nos finais de semana (um tipo de reunião em call, atualmente pela plataforma Discord, geralmente regada a muito bom humor e risadas). E possivelmente eu acabaria me lamentando depois, pois esta obra em particular realmente fez com que este humilde blogueiro chegasse às lágrimas e dores na barriga, de tanto que acabou rindo.

"Grand Blue", uma adaptação direta de seu mangá homônimo que foi animado pelo Estúdio Zero-G, teve doze episódios no seu total e não apresentou nenhum tipo de cerimônia, desde o seu capítulo inicial. É bem verdade que ao aparecer pela primeira vez, o jovem Kitahara Iori parecia que vivenciaria um período de paz e tranquilidade, sendo estudante universitário em uma cidade litorânea. Rever a antiga amiga de infância sua, Kotegawa Chisa, poderia ser definido como uma “cereja no bolo” para todo este momento tão especial e único.

Pobre rapaz. Na verdade, a vida do Iori se pôs ao avesso. Entrou em um clube por “reles obrigação nada espontânea”, passou a “beber por obrigação nada espontânea” e, para coroar o repertório, foram inúmeras as vezes nas quais ele teve de festejar com seus amigos somente com as roupas de baixo (ou até sem as tais em seu corpo).

No primeiro instante pode parecer que o anime se apegou a um clichê básico do ecchi, com um toque de harém e muito de pervertido. A verdade que lhe digo é que não apenas esta sentença está correta, como foi absurdamente bem trabalhada e desenvolvida. Caretas, situações ímpares, confusões inimagináveis e muitas risadas fizeram o tom de "Grand Blue", anime no qual coloquei em meu pódio particular com a medalha de bronze. Sim, houve algo sobre a prática de mergulho nesta obra.

Vale aqui fazer, também, um destaque quanto à sua abertura. Além de bem feita, a música era contagiante. Bem desenhado, animação fluída, cores impecáveis, sonorização acima da média. Mas esta mesma “abertura” soou um tanto quanto “mentirosa” para a minha pessoa, pois dedicou-se a “vender o peixe” da prática e ensinamentos do mergulho. Embora isso tenha efetivamente aparecido em alguns episódios, fica a sensação de que o foco do título realmente era outro (mas isso em nada desmerece o quanto "Grand Blue" foi bom de ser assistido).



2º - Shoujo☆Kageki Revue Starlight

“Amizades, sentimentos, teatro e lutas...”


Quando um anime apresenta elevado número de protagonistas, a minha pessoa começa a se lembrar de muitos títulos animísticos do passado que, dentro do estigma, falharam dolorosamente em apresentar uma boa obra. De igual maneira, apareceram bons exemplos com trabalhos interessantes.

Em meio a tal cenário, "Shoujo Kageki Revue Starlight" acabou surgindo e, logo em seu início, soube cativar este humilde blogueiro em cheio (quase que literalmente). Sua história remete a uma promessa entre duas amigas, Aijou Karen e Kagura Hikari, que quando bem pequenas juraram reencontrar-se no palco do Starlight. O tempo passou e, agora, ambas estão com dezesseis anos de idade. Por um incrível capricho do destino, Karen e Hikari acabaram frente a frente novamente, cada qual a sua maneira e por caminhos bem diferentes e, ao lado de várias outras garotas, elas agora deverão “se enfrentar” para poder assegurar um lugar na peça Starlight.

Nobre visitante, tenha em mente que o anime realmente soube transmitir muito bem a chamada sensação pelo desafio, no qual cada uma das garotas soube ir adiante na realização de um mesmo sonho em comum. Não houve a perfeição nisto, todavia, mas o trabalho foi inegavelmente bem conduzido. Isto se deveu, principalmente, ao fato de que muito além do ensejo pela peça esteve em evidência.

A rigor, cada novo combate (com dança, ritmo e muito movimento) as garotas colocavam para fora tudo aquilo que as levavam adiante, e isto acabou trazendo sentimentos bons e ruins à tona. "Shoujo Kageki Revue Starlight" acabou honrando bem isso, ao mostrar que mesmo amizades antigas ou bem recentes poderiam ficar em xeque, mediante a uma causa em apego. Este anime foi mais do que digno, para a minha pessoa, em ficar com a medalha de prata desta temporada em pauta.

Vale aqui destacar o belo trabalho técnico do Estúdio Kinema Citrus. Animar uma obra original costuma ser um grande desafio em boa parte dos casos e, para o título em específico, tudo transcorreu além do que poderia ser esperado.



1º - Hataraku Saibou

“O estudo do corpo humano sempre será grato a este anime...”


Uma adaptação de mangá, cuja importância na realização do trabalho foi entregue ao Estúdio David Production (que entre tantas obras, mostrou muito zelo e atenção com "Planetarian"). Treze episódios que buscaram sintetizar, da maneira mais próxima da simplicidade, sobre o complexo funcionamento do corpo humano (e como essa verdadeira máquina se comporta diariamente). Para tanto, nada melhor do que trazer microscópicos e pequeninotes serem humanos chamando para si próprios importantes funções internas que, a um pequeno deslize, podem trazer sérias complicações.

- “Plaquetas!” - Este era o grito mais profundo que a minha pessoa entoava, cada vez que estas simpáticas personagens apareciam na tela, com suas falas dóceis e educação exemplar, procurando reparar os buracos feitos no tecido humano. E aí deve morar, provavelmente, toda a simbologia alegre e extrovertida por detrás de "Hataraku Saibou".

Exigir a perfeição é algo muito difícil e, dada a temática já apresentada deste anime, seria impossível falar de certas partes/órgãos do corpo humano, além dos vírus e infecções, sem citar nomes complexos e que por vezes beiravam a irritação. Era tudo necessário. Muito embora seja verdade que o anime conseguiu primar por não apenas querer inflar informações uma seguida da outra, a verdade é que certas nomenclaturas causavam mais espanto do que propriamente as ações executadas pelas suas detentoras.

E quando se fala em trabalhos importantes, uma dupla de personagens roubou a cena em Hataraku Saibou, muito além do que se poderia prever. Ela era o Glóbulo Vermelho de alcunha serial AE3803, sempre determinada e muito pró-ativa, mas com péssimo senso de direção. Ele, por sua vez, era o Glóbulo Branco sob a nomenclatura U-1146, extremamente sério e sempre pronto para dizimar os vírus que apareciam na frente dele (e por vezes na frente de AE3803). As ações e desventuras destes dois glóbulos mereceram muitos sorrisos deste humilde blogueiro. O foco do anime era falar sobre o corpo humano em si mas, como se pode facilmente notar, houve um bom espaço para mais coisas no decorrer da obra.

A bem da verdade, quase todo o elenco que apareceu no anime (incluindo os seres nocivos à saúde humana) mereceram algum destaque, por menor que este fosse. "Hataraku Saibou" soube primar pelo envolvimento, deixando a prerrogativa da atenção sempre presente e atuante, além de fazer com que a imaginação da minha pessoa navegasse por horizontes nunca antes desbravados.

Com o brilhantismo da parte técnica, alinhada a uma história bem direta e assertiva, com direito a ensinamentos que podem ser passados com tranquilidade em quaisquer salas de aula, "Hataraku Saibou" mostrou ser o anime digno da medalha de ouro na temporada de Julho/2018, isto no ponto de vista deste humilde blogueiro.



**********


Evilasio Junior

Depois de uma temporada (primavera) fora, por não ter visto muitos animes, estou de volta para falar da temporada de verão de 2018. O verão nos trouxe boas estreias e o fim das séries mais interessantes que estrearam na primavera em minha opinião, assim sendo, esse grupo de cinco animes irá misturar tanto obras que começaram e terminaram na última temporada, quantas algumas obras que começaram na temporada de primavera e terminaram no verão. Sem mais delongas, vamos ao que interessa.


5º - Angolmois: Genkou Kassenki

No século 11 um dos impérios mais prósperos do Oriente era o império Mongol, conhecido por sua implacável força militar, que agregava guerreiros de vários povos diferentes e com estratégias avançadas de guerra para a época. E por que estou falando disso aqui? Bem, "Angolmois" fala sobre um grupo quase esquecido de guerreiros japoneses que tiveram de enfrentar a primeira onda de ataque do exército Mongol em Tsushima.

Na história de "Angolmois", um grupo de guerreiros renegados, piratas e ex senhores feudais fogem de um ataque naval e vão parar na ilha de Tsushima. E lá se veem impelidos de ajudar o povo da ilha a enfrentar um grupo de milhares de soldados mongóis que estão prestes a atacar o Japão. O protagonista é o sagaz ex-samurai Kuchii Jinzaburou, que usando diversas estratégias comanda esses mercenários renegados e um grupo pequeno de guerreiros locais na esperança de segurar a frota Mongol até um ajuda prometida, de soldados vindos da capital, chegar até a pequena ilha.

Ao longo de 12 episódios acompanhamos vitórias e derrotas e mortes, mas também a esperança de uma vitória em uma guerra que já começou... Uma coisa interessante é que o anime todo usa um filtro de imagem gasta, para dar impressão de que o visual é mais velho, o que pode desagradar alguns visualmente, mas que me deixou bem feliz - particularmente gosto muito de ver ideias diferentes de se trabalhar o visual. O anime em si não tem uma animação incrível, mas é bem consistente, e empolga bastante durante as cenas de batalha. É muito legal ver, por exemplo, o quão surpreendente é uma nova tecnologia armamentista e como isso pode intervir numa batalha, fora o conhecimento de terreno, os números e tudo mais que influencia em uma guerra. Em suma, "Angolmois" é um prato cheio para quem curte animes de guerra e como esse é meu caso também, ele tem espaço aqui nesse top. Ps.: Gosto muito da abertura desse anime.



4º – Hanebado!

Quem conhece meu gosto por animes, sabe que eu tenho uma quedinha pelos de esporte, principalmente quando tratam daqueles que não conheço tão bem, pois sempre estou curioso para ver como um anime irá retratá-lo. E "Hanebado!" é exatamente esse tipo de anime.

"Hanebado!" acompanha um clube colegial de badminton, com foco principal em duas personagens. Aragaki Nagisa é a garota esforçada que adora o esporte e que tem um trauma por ter perdido de forma quase vexatória em um torneio no passado, enquanto Hanesaki Ayano é a garota que derrotou Nagisa e que tem um trauma ainda mais sério, pois quando mais jovem, foi abandonada por sua (completamente irresponsável) mãe, uma estrela do badminton Japonês.

Ao longo do anime acompanhamos os personagens, não apenas as protagonistas, superando seus traumas e avançando o máximo que podem no badminton colegial. Embora tenha bastante esporte, o anime foca muito também no drama das personagens, principalmente o da Hanesaki, e como elas lidam com isso, o que até chegou a irritar alguns devido às atitudes que certos personagens tomam durante a trama, mas eu particularmente comprei o barato e consegui relevar algumas falhas na mesma, pois como um todo a história e a forma como o badminton se liga a ela é bem interessante.

Vale também o destaque para a excelente animação das partidas; até quando são usados alguns truques para esconder a falta de animação, o trabalho é muito bom, causando um efeito interessante. "Hanebado!" é um daqueles animes que não vai voltar a memória o tempo todo, mas que quando pensar em bons animes de esporte certamente ele vai surgir, por isso vale a indicação para os fãs do gênero.



3º – Boku no Hero Academia 3rd Season

Não tem muito mais o que falar de "Boku no Hero" que eu já não tenha falado antes. Ele continua sendo um excelente shonen de ação, que faz tudo o que esse tipo de anime tem de fazer e muito melhor do que a maioria. Dessa vez o anime focou em dois arcos principais e dois mini arcos, sendo o primeiro contado na primeira parte da temporada - e diga-se de passagem, é o melhor arco até agora. A forma como a luta final desse arco impacta o universo do anime é incrível e emocionante.

O arco seguinte, da pré-licença, faz mais do mesmo, mas ainda é bem interessante e os dois mini-arcos finais dão um direcionamento bem divertido para o futuro da trama. E vale sempre ressaltar que a trilha sonora continua sensacional; até sei que as aberturas dessa temporada foram criticadas, mas eu adorei tanto quanto adoro as anteriores e a OST, inclusive estou escutando a música da primeira abertura dessa temporada enquanto escrevo esse texto. Enfim, estou empolgado para ver uma quarta temporada.



2º – Major 2nd

Antes de qualquer coisa, essa não é a segunda temporada de um anime, na verdade a analogia (que eu não gostaria de fazer, mas...) que melhor pode traduzir o que é esse anime para o grande público, é que esse é o Boruto de "Major". E o que diabos é esse "Major"? Ele é uma série de mangá e anime sobre baseball, onde acompanhamos a trajetória do protagonista Honda Goro (posteriormente chamado Shigeno Goro) desde a infância até se tornar um astro do Major League Baseball, a liga principal de baseball dos EUA, que também é a mais importante liga de baseball do mundo. Assim sendo, em "Major 2nd" vemos os primeiros passos do filho do protagonista de "Major", Shigeno Daigo.


Diferente do pai que sempre teve grandes aptidões para o esporte e que se dedicou com afinco desde os 6 anos a se tornar um jogador, devido aos seus braços fracos, começamos vendo Daigo desistindo do baseball - porém ele volta ao esporte depois de conhecer Satou Hikaru, o filho do amigo de seu pai, Satou Toshiya, que também foi um astro da Major League. E o mais interessante a princípio, Daigo não vai ser arremessador como é comum com protagonistas desse tipo de anime, mas um catcher (receptor), uma posição que quase sempre é explorada com personagens de suporte.

Dito isso, "Major 2nd" tem tudo que um bom anime de esporte em início tem de ter; ação, partidas empolgantes, estratégias bem elaboradas que te deixam na ponta da cadeira em muitos momentos esperando como o jogo vai virar dali em diante, e drama (é tanto drama às vezes que até irrita um pouco). Para quem curtiu as seis temporadas do primeiro anime e estava preocupado com esse novo, podem ficar tranquilos que "Major" está de volta e vale muito a pena assistir. Ps.: Os momentos que o Goro aparece e toca “kokoro e” são de arrepiar a espinha.



1º – Grand Blue

Ao entrar na universidade um novo mundo de possibilidades se abriu; novas experiências, novas amizades e novos romances estão para surgir. Era isso que o protagonista desse anime pensava e ele não errou exatamente, novas experiências certamente estão para começar para nosso protagonista ao entrar (não necessariamente por vontade própria) no clube de mergulho da universidade, um clube cheio de senpais animados que ensinam a ele a divertida experiência que o mergulho pode proporcionar.

Enfim, "Grand Blue" é um excelente anime de mergulho... por uns 2 episódios, porque no resto é uma comédia completamente insana cheia de bêbados pelados, experiências de quase morte, torneios de tênis sem nenhum nexo, encontros mal sucedidos, maquiagens exageradas,  amizades impossíveis, fetiches estranhos e muitos, muitos mal entendidos.

Para quem gosta de animes de comédia, como é meu caso, não tem como não adora-lo. Que anime divertido e que zoeira, começando pela abertura (minha preferia da temporada) que não diz nada sobre o que realmente o anime é. Que grupo de personagens maravilhosos. Acho muito difícil esse anime ganhar uma segunda temporada, mas como eu gostaria de mais... Dito tudo isso, fica a recomendação a todo mundo para ver esse anime. 



Finalmente, apesar de não está no meu top 5, vale a menção honrosa ao divertidíssimo e um tanto instrutivo "Hataraku Saibou"! Plaquetaaaaaaaaaaaaas!  =D.

Espero que tenham se interessado pelos animes aqui indicados, não apenas nessa lista, mas também nas dos outros participantes desse post, pois realmente tivemos um bom verão para animes esse ano.



**********

Luk Lucas

Tirando toda a ferrugem do meu cérebro para voltar a escrever sobre animes e pela primeira vez fazendo conteúdo para um outro site fora o Chuva de Nanquim, por favor peguem leve comigo. Foi uma temporada que eu assisti bastante coisa, apesar de ter dito que tinha desistido de acompanhar animes por temporada.



5º - Major 2nd

O gênero de esportes é o meu favorito, não precisa de muita coisa para me deixar super investido no grupo protagonista e o "Major" original, lá em 2005, foi um daqueles que me ensinou muito sobre o gênero em si e baseball. "Major 2nd" é um novo ponto de entrada para a série e me surpreendeu por não seguir algumas regras já estabelecidas.


Daigo tem habilidades esportivas comuns para um garoto da idade dele - o maior problema é ser filho do grande Shigeno Goro, algo que traz um grande conflito de expectativa dos outros em relação a ele e uma sensação de baixa autoestima no garoto. O roteiro não tem pressa em resolver conflitos, tudo ocorre de uma forma bem natural, afinal de contas não é de uma hora para outra que alguém consegue superar traumas e é interessante ver uma posição do campo pouco explorada nos animes ser ensinada tão bem, fazendo com que aprendemos junto com o Daigo alguns truques.

"Major" só está em uma posição tão baixa no meu top porque apesar de tudo ainda é o começo, talvez indicando que uma segunda temporada seja possível - basicamente só teve duas partidas realmente bem trabalhadas e o protagonista é um personagem bem difícil de começar a gostar, sendo normal ver o garoto se sentir mal e acabar desistindo de tudo. Ainda assim é uma boa pedida para quem quer começar a acompanhar um anime de baseball e entender um pouco mais do esporte, além de recomendar muito que também voltem e acompanhem a jornada do Goro (protagonistas das séries anteriores), pois são sete temporadas maravilhosas.



4º - Grand Blue

Eu acompanho as temporadas já faz muito tempo e tem algumas coisas que a gente já sabe só de olhar: "Grand Blue" é um daqueles animes de comédia que você adora e que tem uma chance mínima de ganhar uma continuação, terminando sempre com o último episódio deixando a história em aberto. Eu sou um grande fã do mangá, uma das melhores comédias saindo atualmente, então o hype para o anime estava bem alto e não saí decepcionado, a animação já valeu demais só pela enganação que é a abertura e pelo encerramento que realmente mostra a verdadeira face do anime.

Temos aqui uma maravilhosa história sobre bebidas, amizade, bebidas, faculdade, bebidas, nudismo, bebidas e um pouquinho de mergulho - afinal de contas, eles estão em um clube de mergulho. A comédia é no ponto certo, é difícil não ter um episódio que você não vai dar uma risada alta com as situações bizarras que acontecem e as caras e bocas dos personagens, até mesmo as poucas partes em torno de mergulho são bem educativas sobre o esporte e fogem um pouco do ritmo louco da comédia besteirol que domina boa parte do anime.

O maior problema foi a decisão do estúdio de basicamente adaptar 2 capítulos por episódio: o mangá não tem um número de páginas fixa por capítulos, alguns deles possuem 20 páginas e outros vão até 50~60, então certas partes do episódio pareciam corridas por causa do tamanho do material original que foi adaptado. Ainda fica a torcida, mesmo que em vão, de uma próxima temporada



3º - ShoujoKageki Revue Starlight

Esse talvez seja o anime com o ponto de entrada mais complicado entre todos desse meu top, eu não sou um grande fã de idols e todo preview já demonstrava que esse era mais um anime no gênero e agora voltado para o teatro. Só que o anime começou a fazer um certo barulho com algumas pessoas do fandom que eu respeito muito a opinião e decidi dar uma chance. Nossa o que foi esse trator que passou por cima de mim??? QUE FINAL DE PRIMEIRO EPISÓDIO ESPETACULAR!!!

"Starlight" é uma mistura de idols com mahou shoujo, onde existe uma batalha entre as garotas para ver quem se torna a Top Star e não sabemos direito o que aconteceria com quem acaba não alcançando esse feito. A animação durante as lutas é impressionante e diferente, tudo ainda é feito como se fosse uma peça de teatro e fala muito sobre a personalidade e a situação que cada personagem está passando ali; os cenários e a música que as meninas cantam não estão ali de graça e dá para assistir uma segunda vez para prestar atenção nos detalhes que você pode ter perdido por causa da animação fluida e de encher os olhos que o estúdio fez.

O problema realmente é que toda a parte que eu considero genial nesse primeiro episódio fica escondida por uns 2 terços de um slice-of-life um tanto bobo e chato que pode afastar qualquer pessoa desavisada do conteúdo. Confesso que nos 3 primeiros episódios eu meio que só queria chegar logo nas lutas e não me importava nem um pouco com o que acontecia na vida delas, é claro que depois eu acabei me interessando por essa parte também, mas ainda assim o primeiro episódio é muito difícil de acompanhar. A reta final também é um pecado, eles apresentam um plot twist interessante que acaba não sendo tão aproveitado e isso deixou um gosto tão ruim na minha boca que eu acabei ficando só decepcionado. 



2º - Asobi Asobase

O último anime da temporada que eu assisti e o que mais machucou por ter acabado, "Asobi Asobase" provavelmente segue o mesmo destino de "Grand Blue" de ter uma temporada única e isso é bem triste. O anime tem aquele tipo de humor besteirol que só os japoneses conseguem ter, como um mordomo que possui um raio laser na bunda, que me fazia chorar de rir no meio do meu horário de almoço e melhorava em 100% o meu dia.

O começo do primeiro episódio já mostra muito bem o tipo de humor que vai ser visto, cheio de caras e bocas, sacanagens com os amigos e um humor físico que é totalmente o meu tipo de comédia. A cada novo personagem introduzido na história mais eu ficava empolgado com as possibilidades que se abriam e tudo ficava cada vez mais louco e exagerado. Engraçado que de todos que eu citei aqui esse é o que eu menos tenho o que falar sobre, mas é aquele que tenho mais carinho e só queria poder ter mais episódios para assistir.



1º – Boku no Hero Academia 3rd Season

Eu adoro o anime de Boku no Hero, acho incrível como o Kouhei Horikoshi faz com maestria o arroz com feijão do gênero e cria uma história tão cativante, sem furos, fechadinho e sem esconder o uso dos clichês de animes de porradaria. Eu creio que não seja tão necessário me alongar com os motivos de "Boku no Hero" ainda estar no topo a cada temporada que é lançado, ele é um daqueles animes que é um marco para uma nova geração e ainda puxa os otakus velhos que adoram esses clichês.


O arco adaptado nessa terceira temporada é o meu preferido do mangá: as consequências do sequestro do Bakugou e a aparição do All for One são marcos importantes para a já sólida base de crescimento do Midoriya. A animação durante as lutas junto com a trilha sonora empolga demais - a luta do All Mighty vs All for One talvez seja um pico muito difícil de ser superado, são dois personagens que atingiram o ápice de suas habilidades em um confronto decisivo.

Apesar de divertido foram 3 temporadas onde ainda falta alguma consequência séria - o Midoriya tem ferimentos terríveis todo o tempo, mas ele sai apenas com avisos sobre o quão perigoso é o rumo que ele está tomando, nada que deixe o fã preocupado. Faltam vilões com um objetivo interessante e que sejam mais profundos, pois a liga de vilões parece ter se unido só para gerar caos sem motivo nenhum e o fato deles ainda estarem no colégio está começando a cansar com todos esses episódios de treinamento. "Boku no Hero" atingiu o seu pico e por enquanto no mangá ele só tem descido no meu interesse, o que me deixa um pouco preocupado com o futuro dessa história que tanto gosto.


**********

Comente com o Facebook:

Um comentário:

  1. Acho que eu sou a única pessoa que não viu graça alguma em Grand Blue kkkk, eu juro que nós três episódios que eu vi(depois droppei) só ri com uma cena. Não sei porque,mas pra mim a comédia não funcionou. eu passava o episódio inteiro sem ver graça alguma em grande parte das situações. Me lembrou muito o tipo de humor usado naquelas comédias americanas, estilo ''se beber não case'' e ''american pie'' que eu também não vejo graça alguma kkkk. Mas enfim, meu senso de humor que deve estar chato, pois vejo todo mundo elogiando esse anime kkk, prefiro mil vezes minhas comédias moe.bom, meu top fica assim:
    1-kakuriyo no yadomeshi
    2-shoujo kageki revue
    3-harukana receive-
    4-free!dive to the future
    5-Asobi asobase

    ResponderExcluir

Copyright © 2016 Animecote , Todos os direitos reservados.
Design por INS