8 de abril de 2018

Fim de Temporada: Melhores Animes Inverno 2018

É com uma baita cara de sono e uma tentadora garrafa de Amarula à minha frente, que lhes trago mais uma edição com os Tops de alguns membros do blog em relação a temporada recém finalizada, neste caso a de inverno 2018. Dessa vez teremos dois participantes, sendo eles o habitual titular Evilasio Junior e, estreando no grupo de revezamento, a nossa redatora Escritora Otaku.

Já eu, Erick Dias, será a primeira vez que ficarei de fora desde que revivi esse tipo de publicação no Animecote após a temporada de verão 2016, e junto a isso trago algumas notícias frustrantes para mim e talvez desanimadoras para quem ainda acompanha fielmente o nosso blog: Por motivos diversos, a partir de hoje eu não farei mais posts de autoria própria aqui no Animecote, tampouco participarei de podcasts - vocês, contudo, ainda verão meu nome por aí pois continuarei cuidando das redes sociais e das postagens de terceiros quando necessário, citando como exemplo as resenhas da Escritora Otaku, as postagens de podcasts gravados pelos demais participantes ou qualquer outra matéria feita por eles que seja revisada por mim, tal como essa. Considerando que estou me dedicando a esta página desde sua inauguração, em 2012, uma decisão desse tipo realmente não foi fácil de tomar, sendo algo que vinha me incomodando e causando dúvidas já há vários meses. Em minha mente no momento ela é definitiva, logo não vou lhes prometer que a qualquer instante voltarei atrás com isso.


De todo modo, voltando a atenção a quem se dispôs de seu tempo para dar corpo a essa postagem, segue abaixo dois Top 5 de animes finalizados nas últimas semanas (e sem nenhum título repetido, algo inédito!), os quais esperamos que possam ser de alguma utilidade para quem tiver dúvidas quanto ao que assistir.

Por fim, clique aqui caso queira visitar as postagens de temporadas anteriores.



**********


Escritora Otaku


Olá para todos! Esta é a primeira vez que faço parte desta postagem e só foi possível porque dava pra dessa vez montar a lista de melhores animes, mas, não esperem nada surpreendente. A lista abaixo será bastante clichê, só não quer dizer que não haja algo bom nos clichês: foram séries que me animaram durante sua exibição e ganharam sua entrada por aqui. Se voltarei a esse post, vai depender dos animes semanais que forem do meu interesse. Espero que curtam...



5° - Miira no Kaikata

Para começar, temos um anime simples e fofo em sua execução, mas ainda bem que a fofura é apenas parte da história. Como não amar esta pequena múmia que faz graça em cada momento, mascote da temporada mais que disparada; um pequeno oni que gosta de chamar a atenção, Conny; um dragãozinho muito bonzinho e independente, Isao e para fechar, um baku fofo, Mukumuku, lembrando muito dois pokémon da quinta geração (Munna e sua evolução Musharna) quando vi sua imagem. Junto com eles e seus donos temos um dos animes mais fofos que esta temporada de janeiro trouxe - sorte que não foi o único, já avisando.

“Miira no Kaikata” me fez acompanhar o dia a dia destas gracinhas e de seus donos, onde vemos como vivem e os cuidados para manter estas coisas adoráveis fora de encrencas e dos olhares alheios. Com um traço simpático e fofura pra todo canto, o maior diferencial neste anime são as tais criaturinhas e ficar derretido com eles nas primeiras imagens. Já vi um bocado de animes fofos e este apenas incrementa a lista, podem assistir pra passar o tempo e ficar babando com tanta fofura (esta palavra merece ser repetida mesmo) em tela. Vale destacar os episódios sete e nove, dos quais temos uns momentos de drama, saindo da calma e tranquilidade que este transmite. E sim, Mii-kun é uma gracinha, como não amar ele?



4° - Gakuen Babysitters

Sim, vamos continuar com a sessão fofura, porque isso é bom para corações duros e sem emoções, está bem? Temos crianças fofas numa creche, que é ao mesmo tempo, um clube escolar, onde temos só dois estudantes do colegial e um funcionário que parece ter saído do Brasil - sério, quem viu sabe do que estamos falando. Quando tive contato com este anime, muito de seu conceito e elementos lembrou demais “Chibi Devi”, com alguns diferenciais e fora que temos um anime shoujo. A graça está nas próprias crianças: começando com meu favorito, Kotarou, um garotinho quietinho, de poucas palavras e que gosta de livros (qualquer semelhança comigo é coincidência), seguindo com o peralta e amante de super sentais, Taka; da simpática e carismática Kirin; dos gêmeos Takuma, o mais alegre e Kazuma, o mais chorão; e fechando com a Midori, caçula e a bebêzinha do grupo. Como não amar estas crianças?

Cada um dos episódios exibe a rotina do seu elenco de personagens, divididos em duas esquetes, sendo muito algo que já vimos em outros animes: clubes escolares, ficar resfriado, conhecer novas amizades, passear, lembranças do passado e afins. O que chama atenção é a forma que usam estes momentos triviais pra deixar uma mensagem reflexiva ou simplesmente, aproveitar a história com gosto. Bom ver que este estilo fez entreter tanto, tanto, que junto com o “Miira no Kaikata” foram os que mais fui revendo episódios. Sim, sou o Kotarou e convenhamos: criança animada temos aos montes, agora, uma mais séria e de poucas palavras, elas merecem toda a nossa atenção.



3° - Dagashi Kashi 2

A primeira temporada apenas serviu para ter um gostinho desta comédia sobre doces japoneses, e é melhor dar uma explicada antes de seguir: os dagashis apresentados são o equivalente aos doces e salgadinhos que compramos com gosto, sejam os mais baratinhos, sejam os mais caros. Só assim para poder acompanhar esta série. Vi a primeira temporada e achei legalzinha, nada demais - agora, esta temporada me surpreendeu, não no sentido ruim e sim no bom sentido. Quando um anime ganha uma nova temporada, o normal seria apenas seguir adiante, certo? No caso deste, muita coisa mudou: a staff, o traço, a duração de episódios (saindo da duração normal e virando um anime curtinho) e o resultado foi muito bacana, diverti demais. Dois pontos merecem total atenção: o fato do anime com sua curta duração ter abertura e encerramento, boas músicas por sinal e o mais ousado de todos, a ausência de sua personagem símbolo em parte dos episódios. Segundo ponto foi um risco, claro que, necessário e importante pra ver se “Dagashi Kashi” ia segurar as pontas. Funcionou? Por mim, funcionou e ficaria feliz que seguisse neste novo ritmo, caso façam mais temporadas deste. Se não, me diverti neste universo dos dagashis. E que é bom saber que obras provenientes da Shounen Sunday têm conseguido, em parte, me agradar nos animes.



2° - Osomatsu-san 2

Sem ficar estendendo, foi uma alegria poder voltar a acompanhar as loucuras dos irmãos Matsuno - na verdade, tava na cara que pelo enorme sucesso eles iam voltar. Foi uma temporada para firmar o que já haviam conquistado na série anterior, e é engraçado este ser o melhor anime da Pierrot em termos técnicos, porque em outras produções deste estúdio, melhor deixar quieto... Desta nova leva maluca, destaque ao seu primeiro episódio (ao menos, não será censurado) e ao décimo oitavo, que fugiu bastante do tom de comédia habitual da série. Foi inesperado como trouxeram uma referência cinematográfica, dos filmes do Charles Chaplin e puseram na visão do anime: fiquei feliz que puderam trazer isso e o resultado agrada muito os mais exigentes. Podem mandar mais temporadas, se tiverem pique, é claro! Caso queiram entender o que “Osomatsu-san” tem de especial, há uma resenha minha deste no site; está tudo explicadinho lá.



1° - Garo: Vanishing Line


Não sou uma especialista na franquia “Garo”, contudo, desde que passaram a produzir animes da eterna luta dos Cavaleiros Makais contra os Horrors, tenho acompanhado a trajetória destas novas histórias. Quando achava que iam ficar somente em “Garo: Honoo no Kokuin” (2014) e “Garo: Guren no Tsuki” (2015), eis que anunciam mais uma série animada. Como a minha experiência nos animes anteriores foi positiva, fui conferir este e nossa, que anime bom é este?! Pra começo, esquece o que viu antes, a maior referência para tal série foi justamente o próprio tokusatsu - ou até nem tanto, porque é para um público mais diversificado -, tendo ainda grande foco à trama e aos seus personagens, os clichês cumprem decentemente o seu papel e o mistério em torno de ElDorado caiu bem, como também a ambientação moderna e que lembra cidades norte-americanas. Mudanças que deram um novo ar nesta investida animada e me empolgaram a seguir durante sua exibição semanal. Há animes melhores sim, há, no entanto, a saga de Sword (protagonista e que saiu de um destes filmes de ação dos anos 80, pela sua composição) resultou no momento, o melhor dos três animes e não duvido que possa a ver novas animações. Se o estúdio que cuida da franquia quiser e dá para ver que se animaram com isso, não duvido de mais nada.



**********


Evilasio Junior


Yo! Tudo bem com vocês?

É chegada a hora de apresentar aquela listinha de animes da última temporada que mais me encantaram (com direito a três primeiros lugares). Esse ano tivemos um bom inverno (ou verão, fique a vontade para escolher) para os animes. Não foi nada “ó meu deus que inverno inesquecível!”, mas certamente houve bons animes que podem agradar a maioria das pessoas que gostam da animação televisiva japonesa (ou chinesa, quem sabe).  Sem mais delongas, até porque está tarde, vamos aos animes.



5º – Overlord II

Eis que em janeiro de 2018 chegou às TVs japonesas e aos serviços de streaming de anime ao redor do mundo (e outro meios...) a segunda temporada de "Overlord", mais um Isekai, baseado em livro, sobre um jovem que acaba ficando dentro de seu avatar em um jogo online e é então transportado para um mundo de fantasia e blá blá blá... Em linhas gerais, "Overlord" tem tudo para ser só mais um anime Isekai com jogo online, mas a grande sacada aqui é que o nosso protagonista não possui um avatar de herói e nem sequer de humano, na verdade nosso protagonista,  O Momonga, ou Ainz Ooal Gown (ou Satoru Suzuki),  é uma poderosa criatura mágica, que controla um grupo de demônios peculiares. E apesar da vasta experiência do jogador, descobrimos ao seu lado esse novo mundo em que se encontra, afinal ele não está mais no local onde jogava, mas em um mundo completamente novo a ser explorado e, por que não, conquistado.

O que mais me atrai nesse anime não é apenas a construção de mundo e de personagens, que é realmente muito interessante, mas principalmente as situações e soluções dos impasses e conflitos em que o elenco está inserido, além da narrativa, que é bem agradável. A segunda temporada, certamente melhor que a primeira, apresenta muito mais e muito melhor tudo que tem de interessante na série e deixa de lado um pouco dos “Deus ex machinas” que tanto me irritaram antes, especialmente no fim da primeira temporada. E se me permitem um comentário mais informal, eu gosto muito das magias e técnicas especiais desse anime, “é tudo magia top”.

Esse anime está longe de ser perfeito e embora  em menor quantidade  nessa temporada, ainda temos o fanservice e algumas soluções meio tiradas do nada.  E também a ambição da trama, especialmente do protagonista e de seu grupo, é tão grande, que tal como a primeira temporada, acontece bastante coisa no anime, mas no fim parece que foi muito pouco num todo, o que talvez deixe alguns espectadores meio ansiosos, e se esse for seu caso, é melhor ir atrás do livro (light novel), do que do mangá.

Em resumo, "Overlord", especialmente essa segunda temporada, é um bom anime que parece muito pretensioso, mas que nem é tanto assim. E que acima de tudo consegue fazer o mais importante, que é divertir com uma boa dose de ação, uma pitada de humor, outra de mistério e mais umas surpresas. 



4º – Mahoutsukai no Yome

Se o primeiro anime que comentei era cheio de “magia top”, esse aqui não foge muito dessa sina. "Mahoutsukai no Yome" é um anime de fantasia baseado em um mangá homônimo, que conta a história da jovem Hatori Chise, uma garota que sofreu muito em seus 15 anos, devido à sua habilidade especial de enxergar espíritos e criaturas mágicas, tanto que a jovem se auto ofereceu como mercadoria em um leilão. E tudo muda após isso, pois a mesma é comprada por um mago, e inumano, chamado Elias, que pretende tornar Chise sua aprendiz e esposa e também almeja aprender mais sobre os humanos com ela.

O que a princípio tinha tudo para ser um grande dramalhão ou apenas mais um romance fantasioso, na verdade é muito mais. "Mahoutsukai no Yome" é um anime sim sobre os dramas humanos, mas também é um anime que utiliza muito sua construção de mundo fantástico para falar sobre família e sobre finitude ou a ausência desse fim. Além disso, o mundo desse anime, que se esconde, mas que convive com uma versão de nosso mundo, é tão belo, que a obra faz questão em possuir um lado contemplativo.

"Mahoutsukai no Yome" é um daqueles animes encantadores que acaba te ensinando algo. Nesse caso destaco a importância da conversa ainda que não leve a nada, pois, parafraseando uma personagem deste anime: “Palavras não existem para nos entendermos. Existem para falarmos uns com os outros.”



1º – Devilman: Crybaby

O primeiro anime original netflix lançado em 2018, "Devilman: Crybaby", apresenta o resumo de um dos mangás (que é baseado num anime original homônimo) mais famosos e influentes do Japão, Devilman, de Go Nagai. Em "Devilman: Crybaby" acompanhamos a violenta, ultrassexualizada e triste história de Fudou Akira, um garoto ultra empático que vira um meio demônio, atendendo pelo título de Devilman, e que usa essa sua nova forma para lutar contra os demônios que querem consumir a humanidade. Auxiliado por seu amigo, o excêntrico Asuka Ryou, Akira tentará salvar a humanidade do seu fim eventual, mesmo que talvez ela não mereça ser salva.

"Devilman: Crybaby" apresenta uma roupagem moderna para um clássico, que passa por cima do choque visual para mostrar que a maldade interna do ser humano é assustadora, mas que apesar disso, ainda há algo de bom na humanidade, resta a nós escolhermos se vale ou não a pena nos sacrificarmos por isso.

Esta é uma série impactante em vários níveis e dificilmente há como descrever esse impacto de uma forma compreensível para alguém que não teve a experiência de vê-la. Em resumo, esse anime é de fato uma experiência tanto visual quanto de narrativa que vale a pena que você tenha e que a partir dela tire suas próprias conclusões. Vale finalizar que é mais um da (quase) pequena lista de animes que teve um episódio que me fez chorar e que me fez perder a esperança na humanidade.



1º – Violet Evergarden

Essa Netflix na temporada de inverno hein?! "Violet Evergarden" é um anime do estúdio Kyoto Animation, baseada numa light novel homônima, que apresenta a história de uma garota que viveu pensando que não passava de uma ferramenta de guerra. Porém, seu major (e responsável) sempre a viu como um ser humano com sentimentos, defeitos e qualidades - e em seu leito de morte este homem desejou que ela vivesse livre de amarras e feliz, afinal, ele a amava. Contudo, Violet não sabe o que significa o “eu te amo” dito pelo major. E para tentar entender o significado dessas palavras, ela decide se tornar uma Autômata de Automemórias, uma pessoa especializada em escrever cartas de terceiros transmitindo o sentimento dessas pessoas através das palavras.

Apesar da qualidade visual excelente dos demais animes dessa lista, não cheguei a falar muito disso de nenhum do outros animes, mas não tem como não falar do trabalho fenomenal que o estúdio Kyoto Animation apresenta nesta série.  O KyoAni  já é conhecido pela excelente qualidade visual de seus animes, mas temos aqui o que provavelmente seja a obra mais bonita já feita por esse estúdio e uma das mais bonitas já produzidas para a TV.

Sobre a história, acredito que o anime demora um pouco para engatar, mas quando isso ocorre (lá pelo episódio 4 ou 5, eu acho) a trama só vai ficando cada vez mais interessante e emocionante. Em minha opinião a história principal da protagonista é resolvida no episódio 9, nem por isso os quatro últimos episódios (do 10 ao 13) deixam de ser complementos para essa grande trama, diria até que são os episódios mais emocionantes. O episódio 10 desse anime é uma das histórias mais bonitas que já vi ser contadas em uma produção televisiva.

É claro que esse anime tem defeitos, mas as qualidades são tantas que não tem como não indicá-lo a todos. Mesmo que você no começo não consiga se encontrar com o ritmo dele, ou sentir empatia pela protagonista, tente aguentar um pouco mais, eu realmente acredito que não irá se arrepender.



1º - Kokkoku


"Kokkoku" é um anime de fantasia moderna, baseada em um mangá homônimo, que conta a história de uma família que se vê numa situação de emergência quando dois de seus membros são raptados. Para salvá-los o quanto antes é preciso usar um item especial, herdado pelo patriarca da família, que permite parar o tempo para todo mundo, menos àqueles que usam esse artefato. Porém, ao contrário do que essa família pensa, eles não são os únicos que estão nesse mundo “parado”...

"Kokkoku" é uma daqueles animes que me surpreendeu de várias formas. Primeiro pela trama nada previsível, depois pelos personagens carismáticos e também nada previsíveis, continuando pelas soluções narrativas intrigantes e terminando com uma trilha sonora particularmente boa. E tudo isso feito por um estúdio novo que merece todos os méritos, por isso parabéns e obrigado Geno Studios.

Embora "Kokkoku" não tenha sido o anime mais comentado e aclamado pelo público nessa temporada, para mim é um daqueles trabalhos que me fazem pensar que animes ainda podem me surpreender e positivamente.

Para terminar, queria só destacar que a Violet, de "Violet Evergarden", e a Juri, de "Kokkoku" são personagens femininas que irão brigar forte pelo título de melhores protagonistas femininas desse ano, com toda certeza - mesmo com todos os bons animes que 2018 ainda promete.

Enfim, é isso, até mais!



**********

Comente com o Facebook:

3 comentários:

  1. Fico muito triste de saber que não vai mais participar das postagens e podcasts Erick,pois gostava muito de sua presença.Mas já que foi uma escolha sua não há o que fazer,só torcer pra que tudo dê certo,estarei torcendo.Good luck on your life journey!
    Sobre o post,Gakuen babysitters também foi um dos meus favoritos essa temporada,esse anime é uma explosão de fofura!Violet evergarden dividiu muitas opiniões:uns amaram,outros odiaram e alguns,como eu,ficaram no meio termo.Eu gosto bastante de alguns episódios de Violet,mas não curto quando o anime decide focar mais em questões relacionadas á guerra.meu top:
    1-Sora yori moo tooi basho
    2-Sangatsu no lion
    3-Mitsuboshi colors
    4-Gakuen babysitters
    5-Yuru Camp
    Uma das melhores temporadas de inverno dos últimos anos,adorei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Angel Chan

      Em relação a temporada de inverno eu não terminei nada até hoje; da maioria que estava acompanhando vi metade, enquanto alguns nem isso - "Gakuen Babysitters" por exemplo, anime que também achei muito fofo, só vi 3 episódios até agora...

      "Violet Evergarden" eu dropei após 5 episódios, não gostei mesmo, e quanto ao seu Top eu acho que repetiria no meu "Yuru Camp" (o slice-of-life que mais me agradou na temporada), "Mitsuboshi Colors" (amei as garotinhas travessas brincando pela cidade) e "Sangatasu no Lion" (apesar de ter visto bem pouco desse, mas conhecendo a obra original dificilmente o anime cairia no meu conceito). "Overlord II", "Koi wa Ameagari no You ni" e "Kokkoku" completariam o Top 5 que virou 6, ha - só mesmo terminando eles um dia para montar algo mais concreto.


      Enquanto isso, não tenho qualquer ânimo de ver a temporada atual...

      ...

      Obrigado pela sua participação e comentários por aqui, Angel Chan, principalmente na vezes quando você era a única que deixava sua opinião em algum post, haha. Não pretendo mais ser ativo no blog a não ser para cuidar das postagens dos outros membros, porém estarei sempre à disposição ao menos no MAL e no Twitter caso queira bater um papo ou perguntar algo.

      Valeu novamente, e até mais o/

      Excluir
  2. Muito bom :)) MERECIDÍSSIMO o primeiro lugar hehe

    ResponderExcluir

Copyright © 2016 Animecote , Todos os direitos reservados.
Design por INS